A importância da orientação na escolha da profissão - Flávio Hastenreiter - Terapia Cognitivo-Comportamental
896
post-template-default,single,single-post,postid-896,single-format-standard,bridge-core-1.0.4,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-18.0.9,qode-theme-bridge | shared by vestathemes.com,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 

A importância da orientação na escolha da profissão

A importância da orientação na escolha da profissão

Todas as pessoas precisam, num certo momento de sua vida, ingressar no mundo do trabalho. E muitas não têm chance de escolher sua profissão. Mas, quando há chance disso – e esta é a situação privilegiada do vestibulando que pode escolher seu curso universitário -, é preciso que a escolha seja bem orientada. Afinal, a realização profissional é um dos elementos mais importantes para a realização pessoal e a felicidade de uma pessoa. Por isso, ao escolher uma profissão, o jovem deve sempre pensar naquelas profissões – e cursos – que possam gerar realização pessoal.

É preciso dizer que a escolha profissional não se faz num “vácuo social”, mas sim num contexto que envolve as expectativas familiares, as perspectivas do mercado de trabalho, etc. Portanto, estes fatores também devem ser levados em conta na hora de escolher uma profissão e o curso universitário que ser quer fazer. Assim, parece fundamental procurar conhecer-se profundamente, a fim de saber que tipo de carreira mais se adapta ao seu modo de ser, bem como deve procurar informar-se sobre a situação atual da profissão que escolheu, suas perspectivas, etc.

Como descobrir quais profissões me interessam

Sugerimos que você siga três etapas: primeiro, procure conhecer a si mesmo; depois, procure conhecer as diferentes profissões e, finalmente, procure conversar com pessoas que possam lhe ajudar. É desse modo que você conseguirá reunir suas características pessoais, seus interesses e as possibilidades que o mercado de trabalho oferece.

Conheça a si próprio

É fundamental lembrar que cada pessoa é responsável por suas próprias escolhas: só ela pode ter certeza sobre quais são suas capacidades, interesses e características individuais. Por isso, o primeiro passo para saber o que se quer ser é responder à pergunta: quem sou eu?

Uma pessoa conhece a si mesmo quando tem uma visão geral, integral, do que é mais fundamental no seu modo de pensar, de sentir, de agir. Para chegar a esta visão geral, é preciso que descubra o que desperta seu interesse e como se relaciona afetiva, intelectual e fisicamente com as coisas que lhe interessam, bem como quais são suas forças e fraquezas.

Pesquise cursos e profissões (informe-se)

Também é fundamental deixar claro que uma pessoa só pode tomar uma decisão com convicção quando conhece bem as alternativas. E conhecer bem um curso ou uma profissão significa, entre outras coisas, saber que habilidades e conhecimentos são exigidas, quais são suas atividades mais rotineiras, quais suas perspectivas financeiras, etc.

Antes de escolher entre diferentes cursos, você precisa ter uma ideia do seu objetivo em longo prazo: que profissões podem interessar a você, ou seja, você se imagina trabalhando nesta ou naquela profissão? Será que o seu interesse não está relacionado com o fato de ser uma profissão nova ou que lhe dê um certo status?

Dialogue com quem pode ajudar

Buscar a opinião de pessoas mais próximas como familiares e amigos é algo que pode auxiliar. No entanto, quando as dúvidas persistem, uma saída é procurar serviços e profissionais habilitados, que podem ajudar com imparcialidade na delimitação de alguns caminhos para que você possa realizar uma escolha com maior confiança.

Fonte: Bortolini & Guidolin – PUC-RS