O sabor das palavras - Flávio Hastenreiter - Terapia Cognitivo-Comportamental
700
post-template-default,single,single-post,postid-700,single-format-standard,bridge-core-1.0.4,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-18.0.9,qode-theme-bridge | shared by vestathemes.com,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 

O sabor das palavras

O sabor das palavras

Flávio Hastenreiter

A palavra é sentido. É a transmutação de pensamentos e sentimentos. É vida, vivido, transição. As palavras possuem cheiro, sabor, som. Elas enxergam e nos tocam. São sensações com infinitas descrições.

Através delas damos sentido às coisas, até mesmo ao nosso sofrimento, caso contrário, nosso desespero pode chegar ao extremo suicídio. De algum modo, o sentido que damos às coisas se passa através da palavra. Seja pelo cheiro, pelo sabor, pelo som, pelo olhar e pelo tocar. É necessário dizer algo para que isso possa existir? Por isso, a palavra também é sentimento, pensamento e não apenas comportamento que se externaliza.

Saber lidar com as palavras é a sabedoria do entendimento de si mesmo, dos outros e do mundo. É através delas que podemos compartilhar algo com alguém. Mas isso não invalida os dizeres do poeta Stanislaw Jerzy Lec, de que às vezes para se fazer ouvir é preciso se calar. Calar também é uma forma de dizer algo. Nietzsche também já disse que ”o caminho para todas as coisas grandiosas passa pelo silêncio”. O silêncio não é um vazio, ele é cheio de sentido.

O que está em jogo é aquilo que pensamos e sentimos. Nos comportamos através da forma como percebemos o sentido das coisas. Não temos como escolher o que os outros têm a nos dizer, mas podemos escolher como nos posicionar a respeito do que nos dizem. Se as palavras possuem tantos sentidos, nós também podemos escolher qual sabor iremos dar às nossas palavras, podemos escolher se iremos proporcionar o bom gosto ou dissabor de quem nos ouve. Assim como, podemos escolher qual será o sabor da nossa escuta.

Saber escutar é o ato supremo da compreensão. Sabendo que a palavra está muito além da expressão externa, este provérbio sintetiza muito bem essa ideia: “Aquele que não compreende um olhar também não será capaz de compreender uma longa explicação” (Provérbio árabe). Talvez duro demais, mas um olhar pode significar muitas palavras!