Orientação Profissional – conhecendo as profissões: Médicos - Flávio Hastenreiter - Terapia Cognitivo-Comportamental
1079
post-template-default,single,single-post,postid-1079,single-format-standard,bridge-core-1.0.4,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-18.0.9,qode-theme-bridge | shared by vestathemes.com,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 

Orientação Profissional – conhecendo as profissões: Médicos

Orientação Profissional – conhecendo as profissões: Médicos

O que fazem:

Médicos são profissionais que previnem, diagnosticam doenças, prescrevem medicamentos ou outros tratamentos, visando a cura ou melhoria de doenças ou outras desordens do corpo humano. Nem todos estão envolvidos com a atividade clínica: alguns são acadêmicos, professores ou pesquisadores, outros são empregados de planos de saúde e outras instituições públicas ou privadas envolvidas com a saúde e há os que se envolvem com a administração de empresas voltadas à área da saúde. Médicos podem especializar-se em uma das mais de 40 especialidades da medicina, entre as quais:

Alergistas-imunologistas: especializados em doenças relacionadas às alergias e ao sistema imunológico;

Anestesistas: aplicam substâncias anestésicas, para diminuir ou eliminar o sofrimento dos pacientes, durante cirurgias ou determinados exames;

Angiologistas: tratam de problemas e doenças relacionados a veias, artérias e vasos sanguíneos;

Cardiologistas: especialistas em doenças do coração;

Cirurgiões: realizam intervenções cirúrgicas para extrair órgãos ou tecidos doentes ou traumatizados, corrigir lesões ou promover uma mudança estética (cirurgiões plásticos). Cirurgiões podem ser gerais, que fazem vários tipos de operação, ou especialistas como o neurocirurgião, cirurgião ortopédico, plástico, cardiovascular;

Clínicos gerais: tratam de pacientes de qualquer idade ou sexo com problemas que não necessitem da intervenção de um especialista. Caso necessário, o paciente é encaminhado pelo médico a um especialista;

Dermatologistas: tratam de doenças e problemas da pele, cabelos e unhas – desde pequenas irritações até câncer de pele;

Endocrinologista: tratam de doenças das glândulas, do metabolismo e desvios relacionados à nutrição como nanismo, obesidade, diabetes;

Fisiatras: tratam das incapacidades físicas e de movimentos, prescrevem tratamentos fisioterapêuticos e participam do planejamento e desenvolvimento de programas de reabilitação física, psicossocial e profissional de paraplégicos e portadores de outras deficiências físicas;

Gastroenterologistas: cuidam dos problemas do sistema digestivo – esôfago, estômago e intestinos;

Ginecologistas e obstetras: cuidam da saúde do aparelho reprodutor feminino e órgãos anexos, e acompanham a mulher durante o período de gravidez e durante o parto;

Homeopatas: realizam tarefas semelhantes às do clínico geral, porém seu plano terapêutico é baseado em ervas medicinais e medicamentos homeopáticos;

Intensivistas: tratam de pacientes críticos, internados na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) ou CTI (Centro de tratamento Intensivo);

Legistas: realizam exames do corpo de delito em pessoas vivas que denunciam agressões sofridas, investigam paternidade, determinam a causa da morte através de autópsia;

Médicos do trabalho: fazem exames para admissão e demissão de trabalhadores, participam de elaboração e execução de programas de proteção à saúde dos trabalhadores, colaboram com os programas de vacinação, são responsáveis pelo planejamento, instalação e funcionamento dos serviços médicos de uma empresa e elaboram laudos periciais sobre acidentes de trabalho;

Médicos esportivos: orientam a prática de esportes, realizando exame clínico para garantir o máximo rendimento ao esportistas;

Neurologistas: tratam de doenças do sistema nervoso;

Oftalmologistas: cuidam da saúde dos olhos;

Oncologistas: diagnosticam e tratam tumores e diversos tipos de câncer;

Ortopedistas: diagnosticam e tratam das enfermidades resultantes de traumas ou crônicas dos ossos, músculos e articulações;

Otorrinolaringologistas: cuidam dos ouvidos, nariz e garganta;

Patologistas clínicos: executam e supervisionam testes e exames hematológicos, bacteriológicos, parasitológicos, citológicos e outros;

Pediatras: assistem à criança até a adolescência, avaliando o seu desenvolvimento, cuidando de vacinas e tratando de doenças comuns à infância;

Pneumologistas: dedicam-se às doenças broncopulmonares;

Proctologistas: tratam de doenças e problemas do ânus, reto e cólon;

Psiquiatras: diagnosticam e tratam pacientes com problema mentais, emocionais e comportamentais, através de psicoterapia e medicamentos;

Radiologistas: realizam, supervisionam, analisam e emitem laudos de exames radiológicos;

Radioterapeutas: prescrevem e supervisionam a dose, o período e o intervalo das aplicações de radioterapia e participam de equipes de saúde pública, propondo ou orientado programas de prevenção de câncer e prestando esclarecimentos quanto aos efeitos da radiações;

Sanitaristas: elaboram, executam e avaliam programas de saúde pública, orientando a população sobre como evitar epidemias e também como saná-las;

Urologistas: tratam do aparelho urinário de homens e mulheres.

Características pessoais:

Autoconfiança;
Autocontrole;
Capacidade de comunicação;
Capacidade de concentração;
Capacidade de decisão;
Capacidade de lidar com a visão de sangue e de pessoas acidentadas;
Capacidade de pensar e agir sob pressão;
Determinação;
Discrição;
Resistência física;
Equilíbrio emocional;
Firmeza;
Iniciativa;
Habilidade manual;
Independência em relação aos problemas alheios;
Interesse pelas ciências;
Interesse pelo corpo humano;
Paciência;
Perseverança;
Raciocínio rápido;
Vontade de ajudar o próximo.

Lidar com a vida humana requer um grande senso de responsabilidade, espírito solidário, além de um longo período de estudo para ser um médico, profissional que, através de exames, cirurgias, pesquisas e uma série de outras atividades, garante a saúde pessoal e coletiva da população.

Fonte: Guia de profissões.